Senta-te e Vive

Author: Hugo Torres / Etiquetas:


Sento-me à beira do abismo...
Único local de prazer e dor
Intensos. Paradoxal com certeza, mas,
Cessando toda a beleza do comum mortal,
Indico aos meus relativos que cairei um dia.
Dia esse que será o momento de libertação,
Início...?
Onírica vida seria mais prazerosa!

Liberto-me, caio.
Imagino como seria a vida sem este facto.
Brilhando no nada, dirijo-me à minha morte,
Enquanto os parentes choram, ignorantes das
Razões que me levaram a este FIM.
Deambulando pelas lembranças,
Amor me vem à memória, o que tive e o que não tive.
Despedindo-me desta história,
Entoo um só grito: Vive!

2 comentários:

Blaze disse...

Merda meu, é como me sinto agora, os eus poemas épicos são ;_;

Corvi Umbra disse...

Vive, sim. Mais que isso, deixa acontecer. Sê. Nao te cortes, não te negues. Justifica-te e crecse no teu caminho.